Curso Online

Curso  ONLINE de Psicologa do Esporte e Preparação Mental

Março a Dezembro 2017

Aulas semanais: você poderá assistir às aulas ao vivo e também terá acesso direto às aulas gravadas para assistir quando quiser

Acesso ao material de aula e protocolos de avaliação e intervenção exclusivos

Canal de dúvidas permanente: contato online com o professor para esclarecimento de dúvidas

Bônus: Supervisões periódicas com o professor para planejamento e condução de casos

Desconto para alunos que já participaram de projetos anteriores

Em breve: Informações detalhadas e  Inscrições

A maior vitória: o reconhecimento do nosso trabalho pelos nosso atletas…obrigada Alison e Emanuel!!!

Alison e Emanuel: a dupla formada em 2010 vai disputar as Olimpíadas como favorita Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo

Se há alguém que conhece cada grão de areia do vôlei de praia olímpico, é Emanuel. A carreira do brasileiro se confunde com a história do esporte nos Jogos. Ouro em Atenas-2004 e bronze em Pequim-2008, conhece as dificuldades e os atalhos e sabe que o caminho rumo ao pódio em Londres passa por uma preparação cuidadosa.

— Houve evolução grande no vôlei de praia. Todas as equipes são profissionais, têm preparadores físicos, fisiologia. Desde 2000, o esporte cresceu muito — diz.

Desde que o vôlei de praia entrou oficialmente no programa olímpico, em Atlanta-1996, Emanuel esteve presente em todas as edições dos Jogos. Primeiro, ao lado de Zé Marco. Depois, em Sydney-2000, numa dupla com Loyola que criou muita expectativa, já que os dois jogavam na liga profissional americana. Mas as medalhas só vieram na parceria com Ricardo, em Atenas e Pequim.

Desde 2010, Emanuel joga ao lado de Alison. Os resultados recentes são promissores. Foram quatro finais nas últimas quatro etapas, sendo dois títulos, em Moscou e Berlim.

— Foi um planejamento de três anos para chegarmos bem às Olimpíadas, tanto como dupla como do ponto de vista psicológico — analisa o veterano, que completa: — Em 1996, joguei as Olimpíadas com o Zé Marco, e não tínhamos experiência de preparação. Em 2000, eu e Loyola não conseguimos jogar bem o torneio. Com o Ricardo, comecei em 2002 e acredito muito no tempo de maturação. Deu certo em Atenas. Em Pequim, o Ricardo teve uma lesão séria no tornozelo, mas foi guerreiro e chegamos ao bronze.

Na primeira fase dos Jogos Olímpicos, Emanuel e Alison enfrentarão Heuscher/Bellaguarda (Suíça) e Nicolai/Lupo (Itália). Já Ricardo e Pedro Cunha pegam Grotowski/Garcis-Thompson (Grã-Bretanha) e Skarlund/Spinnangr (Noruega).

Acompanhamento de psicóloga

Na preparação para as Olimpíadas de Londres, Emanuel e Alison contaram com o apoio de uma equipe de dez profissionais. Sob comando da técnica Letícia Pessoa estão preparador físico, fisiologista, estatístico, sparrings. Mas Emanuel destacou a importância do trabalho da psicóloga Samia Hallage.

— É um trabalho que já dura dois anos. O principal é lidar com as emoções de forma a não ficar frustrado demais nas derrotas, nem empolgado demais nas vitórias.

Samia já tem no currículo a experiência positiva de ter trabalhado com a seleção feminina de vôlei que foi ouro em Pequim-2008. A equipe que acompanha Emanuel e Alison conta até com um profissional para captar vídeos, um trabalho detalhado.

— Estamos muito preparados para jogar cada jogo. Cada partida será uma final — afirma Emanuel.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/londres-2012/perto-da-quinta-olimpiada-emanuel-ve-trajetoria-se-misturar-do-volei-de-praia-5544104.html#ixzz21UEeBGI3

Preparação Psicológica durante o Ciclo Olímpico

Imagem

A aproximação de um evento tão importante como os Jogos Olímpicos faz a maioria dos brasileiros voltarem a atenção para os nossos atletas e as nossas chances de medalha. Mas todo o trabalho para levar um atleta a uma   Olimpíada, com chance de ganhar uma medalha, começa bem antes dos Jogos. Começa, pelo menos, quatro anos antes, no início do ciclo olímpico.

Tudo tem que ser considerado, e na preparação do atleta muitos aspectos são fundamentais: a parte técnica e tática, a preparação física, a alimentação, o descanso e a preparação psicológica.

Durante muitos anos, a presença de um psicólogo acompanhando um atleta ou uma equipe só era solicitada quando existia algum problema. Mas atualmente, e cada vez mais, os próprios atletas, os técnicos e todas as pessoas envolvidas no contexto esportivo, consideram que a preparação psicológica é um aspecto fundamental para o bom rendimento.

E essa preparação deve seguir o planejamento de preparação do atleta desde o início, para que o psicólogo tenha tempo para conduzir o seu trabalho.

Em 2008 tive a felicidade de participar da preparação psicológica da seleção feminina de voleibol e da conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim. Minha história com as meninas começou anos antes, nas categorias de base, quando acompanhei a maioria delas nas seleções juvenis e infanto-juvenis.

Atualmente acompanho a dupla de vôlei de praia Alison e Emanuel e a nossa parceria começou em 2011. Durante um ano e meio tive a oportunidade de desenvolver  esse trabalho com os atletas, com a técnica Letícia Pessoa e com a comissão técnica.

Atualmente muitas modalidades olímpicas contam com o trabalho dos psicólogos esportivos. E alguns estarão acompanhando seus atletas em Londres.

Isso é uma grande conquista de todos os psicólogos brasileiros que trabalham seriamente para o desenvolvimento da psicologia esportiva no Brasil.

Tempo de mudanças!! Boas mudanças!!